segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Reflexão 2012

Bom Ano pessoas que lêem isto ainda que poucas sejam...

Decidi pensar um pouco acerca do ano que está a terminar. Pensar que há exactamente um ano atrás tinha tantas esperanças, tantos projectos, tantos sonhos e tudo o que podia falhar...Faculdade, amor e até as férias... Nada correu nem como previsto nem sequer bem.Posso dizer que a crise me atingiu como uma flecha que trespassa a caixa torácica e rasga tudo o que há para rasgar e fica cravada bem cravada e nós simplesmente ficamos a ver o sangue a jorrar e a escorrer como o Douro corre para o oceano, o sangue a saltar com a força de um tsunami que varre tudo o que há para varrer em largos quilómetros.Não foi a crise financeira, foi sim a crise pessoal e emocional...

O país está em crise e eu também.Posso ter cometido um dos maiores erros da minha vida neste final de ano.Não sei...O meu cérebro diz-me que foi o correcto e o meu coração continua a bombear sangue para fora do corpo e o meu corpo fica frio à medida que sente a flecha cravejada no peito sem a poder mexer.Fico imóvel e vejo o tempo correr...
Tudo falhou....Eram tantos sonhos, primeiro emprego, estabilizar a vida e começar a sonhar.Tinha a vida em aberto para mim e não aproveitei...Não é tarde é certo...Tenho 25 anos...Vou fazer 26...Estou velho para começar a trabalhar...Mas o sangue continua a correr e começa a ser tarde para algumas coisas.Era tempo de começar a estabilizar tudo e de começar a escolher o caminho que vou seguir e começo a excluir tudo e só me resta a interrogação da solidão...Já não é só o sangue que sai, as lágrimas caem e apercebes-te que já passaste por tanto na tua vida que não consegues sequer já sentir a dor...Sentes que já falta o sangue...Sentes cada vez mais frio...Estás a ficar seco...

...

Já não sentes paixão, motivação, alegria na vida...Foste vítima do teu crime...

2012 marcou-me...Teve momentos altos e baixos como todo os anos... Mas os baixos marcou sempre mais não é?A dor bate e rebate e tira-te sempre a tua melhor parte...Tira-te a esperança.Quanto eu gostava de ter a inocência de uma criança e ter a esperança de que tudo acaba bem e que o final das coisas é só quando há um happy ending mas a realidade é que, embora isso seja na realidade, possível...A vida torna-se cada vez mais difícil e os passos que tomo parecem ser cada vez mais determinantes na minha vida...

Espero não piorar a minha vida em nada...
Desejos para 2013?
Ser um homem com H grande e poder começar a ganhar a vida e a fazer alguma coisa de jeito...

"Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

Boa noite.Eu vou com as aves."

domingo, 30 de setembro de 2012

É tão bom não foi?

A volatilidade e a rapidez com que determinadas pessoas lidam com algumas coisas assusta-me bastante... É incrível como é que nesta "Era Digital" tudo vai e vem com uma facilidade tremenda.As pessoas falam, conhecem-se, amam, odeiam, usam, deitam fora, usufruem tudo em semanas...Dias até por vezes.... O importante é ser tudo rápido e à velocidade que nós queremos...Desesperamos quando assim não é...Achamos que o intenso é tudo mas por vezes é preciso tempo para que as coisas cimentem...Para que tenham algum real valor. Dá-me ideia que hoje em dia ninguém quer investir em nada que não tenho retorno imediato e pela lógica e pelo que eu já vivi na minha vida, esses investimentos, por norma, são os menos valiosos. Por norma o investimento é proporcional ao valor das coisas, como é que querem encontrar o amor das vossas vidas numa semana de conversa pelo Facebook e um ou dois encontros?É surreal...Completamente surreal... Mas, desta vez, nem é tanto do foro sentimental a nível de Amor/Paixão que quero falar...Gostaria de falar de Amizade...Sim de Amizade... Tal como no Amor/Paixão na Amizade também nós investimos amor nas pessoas porque gostamos delas, porque sentimos bastante empatia, porque nos dão segurança...Mas sofrerá hoje em dia a Amizade da mesma crise referida acima pelo Amor/Paixão? Eu gostava de acreditar que não mas a verdade é que os últimos meses/anos da minha vida têm vindo a mostrar-me um pouco isso... Já me tinham avisado que quando o pessoal começasse a acabar o curso e a trabalhar todos se iam separar e ia ser "cada um para seu lado", no entanto essa foi uma regra que não se verificou no meu caso, as pessoas que acabaram o curso são as que mais tentam manter contacto comigo, saber como estou, saber se está tudo bem comigo e querer estar comigo. Parece que nada mudou desde aí...E quando nos cumprimentamos, o "calor" e a cumplicidade são os mesmos!Sabemos que aquela pessoa a quem insultamos carinhosamente e fazemos as maiores barbaridades infantis é mesmo nossa amiga pura genuína...Mas a questão é que teve que se manter algum contacto...É preciso investir e manter e proteger o investimento, portanto, até aqui nada de muito novo.... A novidade disto tudo é quando pessoas que julgávamos serem nossos pilares há algum tempo atrás deixam de manter contacto connosco simplesmente porque sim....Acabas por ser subjugado e ao mesmo tempo subjugas...Notas que já não te tratam com o mesmo carinho e sentes-te frustrado porque aquela já não parece a mesma pessoa para ti e tu já não consegues ser o mesmo para essa pessoa...É um efeito bola de neve que te leva a um desespero que o que acabo por fazer é simplesmente deixar... Gostava de reverter algumas coisas mas às vezes simplesmente não sei o que fazer, às vezes lembro-me de como tudo dantes era puro e genuíno, hoje em dia só fico frustrado pela ingratidão demonstrada depois de tudo o que fiz por algumas pessoas, depois do que dei de mim e o que elas pareceram esquecer...É lógico que também fizeram muito por mim e estou bastante grato por tudo mas neste momento, honestamente, sinto-me desiludido com essas pessoas...Eu não sei se fui eu que mudei, se foram elas, se foi o aquecimento global que alterou o clima, verdadeiramente não entendo...Talvez tenha sido a constante falha de investimento da minha parte e deles...Mas depois de tudo o que se passou as coisas são assim TÃO voláteis?! E é disto que tenho medo... Antigamente amigos verdadeiros mantinham-se e não era necessária uma proximidade tão constante mas, hoje em dia, graças a esta necessidade de termos de estar sempre todos juntos nem que seja de forma virtual, matamos sentimentos mais verdadeiros e mais puros que noutro tempo perdurariam em virtude de sentimentos que achamos serem aqueles que nos completam quando estamos ligados por SMS's diárias ou conversas em redes sociais... Por um lado são coisas extremamente boas e males necessários mas fazem-me pensar até que ponto não retiram alguma genuinidade às pessoas... Peço desculpa a quem vai acompanhando isto por andar tão abandonado, mas nem sempre o tempo, a vontade ou até mesmo a inspiração de publicar algo se encontra presente em mim... Cumprimentos, L

segunda-feira, 25 de junho de 2012

.....

Quando o desespero se abate sobre mim, a falta de esperança, a solidão, o desespero, a desorientação, a depressão quer bater à porta, a ansiedade faz questão de me vir visitar e o pânico quer entrar e ser meu inquilino e quando a tristeza e a infelicidade se abatem sobre mim por questões sociais, por questões de suposta responsabilidade para com o mundo do trabalho e com a sociedade lembro-me dele...De como ele por um momento quis ser livre, e conseguiu...Aprendendo no final que a felicidade só vale a pena se for partilhada mas ele foi uma lição para nós e uma chapada para a sociedade...
Pela grande e enorme voz do Eddie Vedder a banda sonora desse grande filme que retrata a história real desse jovem que um dia só quis ser livre da sociedade e das limitações que ela nos impõe...




terça-feira, 24 de abril de 2012

Trauma happenings #2

Não reagiu.

Ficou sentado a contemplar o prato com arroz de ervilhas e o ovo estrelado,mal passado, com a gema a escorrer pela clara como se tratasse de um fluido temporal que se escorre pelas mãos em que ficamos petrificados e a única coisa que conseguimos é deixá-lo passar...

Os grãos eram como que pequenas agulhas que penetravam no peito e lhe faziam aumentar a pulsação...A vida não lhe vinha a sorrir e o mais expectável era acontecer o sucedido mas ainda assim petrificou...Bastou o "Não" ouvido em resposta ao telefone seguido de um choro compulsivo e um "Desculpe mãe...Eu não estive com ele até ao fim...".Mas ela tinha feito tudo e tinha sido incansável no apoio incondicional em que só parava para comer,para trabalhar e mal dormia...

Ele continuava petrificado.Sabia que era o final de um ciclo...O final de um ciclo em que tinha uma figura masculina digna,com valores.Ia deixar-lhe uma cicatriz ainda mais funda nos duros 15 anos que tinha (no fundo mais tarde veio a fazê-lo crescer e a amadurecer mais depressa do que o esperado).

Não deitou uma lágrima em todo o tempo de nojo, assistiu a tudo de forma passiva e sem saber o que dizer ou fazer...Enquanto outros enchiam a casa e marcavam presença pelo apreço que tinham tido, por negócios que tinham feito e pela honestidade de sempre, pela lealdade a ele, pela alegria sempre por ele demonstrada; ele estava fechado no quarto a pensar...Iria para sempre recordá-lo como a pessoa mais alegre que conheceu,a pessoa mais trabalhadora e com mais jeito para o negócio que tinha pela esperteza que demonstrava (já com 12 anos era ele que fazia os negócios da família por incapacidade do pai poder ir às feiras e eram 13 irmãos na família...), pela persistência e força interior que tinha (mesmo com um pulmão desde jovem nunca parava de trabalhar), pela boa disposição e porque acima de tudo lhe ensinou que para se ser um chefe de família respeitado não se impõem respeito pela força mas por amor.Se queremos que alguém que nos é próximo aja de acordo com aquilo que esperamos dela devemos respeitá-la sempre para que ela nos respeite e dando-lhe amor e compreensão é a melhor forma de conseguir união,coesão e respeito...

No final, passado anos, voltou ao cemitério da aldeia...Um cemitério bastante pequeno...Tinha deixado de lá ir pela ignorância e pela falta de civismo e moral demonstrada pelo pai patente numa pedra...

Olhou para a campa onde a estava a fotografia e sorriu...Lembrou-se dele com felicidade, já não estava triste nem desolado por ele ter partido, no fundo algum dia tinha de ser,recordava-o como sabia que ele queria ser recordado, com alegria...Quando a avó saiu do cemitério ele ficou mais um bocado a olhar para a foto e antes de sair disse só em tom sereno e de paz "Obrigado por tudo avô!".

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Para longe...

Se tivesse o dinheiro necessário e o meu curso tirado neste momento ia embora para longe...

Estou farto de tudo o que me rodeia e nem os que sempre me amaram incondicionalmente me podem confortar quando a desilusão e a raiva tomam conta de mim...Quero ir embora, ter responsabilidades e ganhar o meu dinheiro e rumar ao meu destino...Desculpa mãe, eu um dia volto e prometo que te vais orgulhar de mim...Vou partir...Já nada me prende aqui...Tudo aqui é me desilude ou me falha...Vou para longe...Para onde ninguém saiba, para onde ninguém me possa contactar ou saber que eu estou lá...

Corre nas minhas veias o cansaço e o despedaçar do que restava....
Estou farto...

Desculpem...

quinta-feira, 29 de março de 2012

sábado, 24 de março de 2012

Ghost

Hoje foi um daqueles dias em que me senti transparente...

Já nada do que me é "atirado eu sinto" já não me trespassa a carne, nem me atravessa como a antiga dor me esventrava completamente o sentimento e a alma...

Hoje senti-me diferente...Quando aquilo que me magoa e me mói veio direito a mim veio tão depressa que quase nem o senti...Fiquei em estado de apatia, em estado quase catatónico...

Quando a flecha da rejeição veio direita a mim como um punhal prestes rasgar todos os tecidos celulares da chama desta vez senti-me um fantasma...Senti não sentindo...

O tema já me pesa...O cansaço invade-me o corpo e tudo o que consigo sentir...Nem sei se vez alguma tornarei a sentir....E vagueio por esse universo imenso que é o poço da minha mente...Já não sei o que sou....

Já nem me desiludo porque as facadas são uma constante no meio disto tudo...

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Entre mim e mim mesmo

A incerteza e a inconstância da reacção na busca de um estado minimamente estável afigura-se-me sempre inconcebível. Todo o reboliço e a dinâmica (quase imprescindível como o ar que respiro e também com vertente tão venenosa como cianeto) que são gerados quase espontaneamente (e de forma quase inactiva da minha parte) alegram-me. Esta imprevisibilidade que me não deixa ter rotina apraz-me. Está próximo de acabar este sentimento de comprazimento; talvez termine dentro de instantes mas pelo menos valeu a pena tentar exteriorizá-lo como marca para me lembrar que por mais pequeno que o momento feliz seja deve e tem de ser apreciado.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

That awkward moment



...when you have to define your life!



Às vezes gostávamos de seguir em frente nas bifurcações da nossa vida, quantas vezes não desejávamos poder ir acompanhando lado a lado como seria se fôssemos por um caminho ou por outro?

Muitas vezes a vida obriga-nos a seguir por um ou outro caminho...
Que importa se até ali queríamos uma coisa? Naquele momento temos de decidir preto ou branco não podemos ser cinzentos a vida toda...Não podemos ser sempre a Suíça imparcial e sem querer tomar um partido...Em determinada fase das nossas vidas temos de fazer A decisão, aquela que muitas vezes sem nos apercebermos vai mudar a nossa vida permanentemente e para sempre...É aí nesse cruzamento que pesamos tudo...

Sabemos que ali está um ponto sem retorno...Já me aconteceu por várias vezes e provavelmente o maior passo desses foi quando desisti do meu primeiro curso para seguir um caminho completamente diferente. Ao fazê-lo redefini toda a minha vida nesse ponto...

Decisões por vezes requerem que nós tentemos vencer os nossos medos mais primários...
Poderá um caminho errante tomar um rumo finalmente mais recto?

Estou a perder os meus medos e com eles parte da minha sanidade se desvanece...

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Charles Chaplin and some other thoughts

Que dizer deste homem?

Pouco sei dele...Foi um actor mudo conhecidíssimo pelo seu trabalho da personagem Charlot e um agnóstico de esquerda perseguido nos Estados Unidos da América...
Faz-me pensar que se calhar devia ler mais biografias, como fonte de inspiração e ídolos, porque do que andei a pesquisar começo a admirá-lo. Parece-me que foi uma pessoa inteligente para a sua época...

Mas porque falo eu dele neste específico momento sem qualquer razão aparente?
Em primeiro lugar porque posso e porque o blog é meu, em segundo porque outro dia fui jantar a um restaurante novo que abriu em Bragança (bastante bom diga-se de passagem) cuja decoração era bastante apelativa... Encontrava-se parte de um poema/música do Charles Chaplin


Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

Charles Chaplin

Bem, fiquei a pensar...

Um sorriso nem sempre é sinal de felicidade ou alegria...Muitas vezes simplesmente sorrimos para que ninguém note que no interior as coisas não estão bem...Muitas vezes inquietos ou desesperados tentamos esconder o nosso estado de espírito...

Bom, como eu gostava de ser assim...
Mas não sou...Sou transparente como a água e carrego em mim a sinceridade facial como se de uma parte do meu corpo se tratasse visível e exposta a todos...Se estou mal não o consigo esconder e tenho de o dizer...

Infelizmente, esta sinceridade já me trouxe bastantes dissabores e muitas vezes sofro por isso... Pela necessidade de dizer o que sinto ao próximo quando estou mal com ele...

Sinceridade...Bênção ou defeito?

domingo, 19 de fevereiro de 2012

O Amor não é desprezo

A verdade é só uma, o Amor não tem a ver com desprezo...Eu não sou capaz de te desprezar...O Amor tem a ver com luta, com conquista, é uma batalha, é uma paz que se pretende alcançar...O Amor....Oh o Amor...
A tua atitude no Amor não basta dizeres que me amas perdidamente, não basta dizeres que queres ficar comigo para sempre...Demonstra-o...Luta por mim, mostra que estás disposta a tudo inclusive a ir contra o lógico e racional, que quando queres algo de mim não descansas enquanto não conseguires só para sentir o meu cheiro e o meu respirar... Mostra que afinal de tudo eu estava enganado e sabes aquelas partes em que eu nunca acreditava que as fizesses por mim? Fá-las!Mas 10 vezes melhor mostra que me consegues surpreender...Mostra que finalmente que o teu Amor por mim não é uma luta em que eu viro costas e tu me convences que as volte a virar para ti...O Amor não é isso...O Amor não é desprezo...Porque no momento em que eu te desprezar, nesse pequeno momento em que eu conseguir desprezar-te eu perdi o medo de te perder...E sem esse medo, deixei de ter vontade de lutar por tudo, deixei de ter de te conquistar todos os dias...
Sem esse medo.....deixei de te amar...

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Who can say where the road goes?



Who can say where the road goes
Where the day flows, only time
And who can say if your love grows
As your heart chose, only time

Who can say why your heart sighs
As your love flies, only time
And who can say why your heart cries
When your love lies, only time

Who can say when the roads meet
That love might be in your heart
And who can say when the day sleeps
If the night keeps all your heart
Night keeps all your heart

Who can say if your love grows
As your heart chose
Only time
And who can say where the road goes
Where the day flows, only time

Who knows? Only time

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Preterido

v. tr.
1. Ir além de; ultrapassar; deixar atrás; passar em claro.
2. Prescindir de.
3. Omitir.
4. Deixar (sem motivo legal) de promover a.
5. Ser promovido no lugar que competia a.

Ninguém gosta de ser esquecido...
Muitas vezes quando nos perguntam que importância temos para determinada pessoa com a qual convivemos ou conhecemos temos sempre a ideia de que não significamos nada de mais, ou melhor, não pensamos muito no assunto mas talvez inconscientemente até tenhamos a ideia de que somos importantes até certo ponto...

O pior é quando alguém se esquece de nós, quando essa pessoa nos desilude até certo ponto, quando essa pessoa "escolhe" outros em detrimento de nós.

Eu quero pedir na primeira pessoa desculpa a quem já fiz isso, na maior parte das vezes não deve ter sido com intenção mas se o fiz alguma vez com intenção quero pedir desculpa.. Por vezes o ser humano é mau, é cruel e desinteressado.

Eu tenho um pouco a ideia de que maldade gera maldade. Se formos menos positivos com alguém sendo maus estamos no fundo a fazer com que mais tarde devido a essa nossa atitude a pessoa a quem fizemos mal faça mal a outras da mesma forma...Não por vingança mas pelo que a vida lhe deu... No entanto, e falando um bocado por experiência própria, isso já resultou em "feedback negativo" no meu caso. O mal que me fizeram amadureceu-me e fez-me pensar que faria de mim uma pessoa desprezível caso o fizesse...


A vida já me ensinou muitas vezes a não ser filho do sentimento... A ter mais cabeça fria que explosão interior. A não julgar as coisas pela primeira impressão, a não desesperar ao primeiro contratempo, a não atirar com tudo e virar as costas quando estamos no fundo do poço...Mas sabem? No meio disto tudo às vezes tenho vontade de ir embora sem deixar rasto, deixar para trás o mundo que conheço mas depois, quando estou no meu canto a reflectir penso que nem o estou a fazer por motivos profissionais e para melhorar currículo mas a vontade que me invade de fazer isso é puramente maldade emocional e sentimental para fazer sentir na pele a minha distância a quem me esqueceu um dia, a quem me preteriu um dia, a quem não me deu valor suficiente... E aí faz-se um clique na minha cabeça...O que estou eu a fazer? Estou a agir por mim, a tomar um acto de egoísmo usando como subterfúgio o argumento que toda a sociedade aceitará de melhorar a minha condição de vida e estou a tornar-me naquilo que sempre lutei para não ser...Um hipócrita social e então decidi enfrentar as coisas e apercebi-me que existe M que existe A que existe P que existe R&R que existe L que existem uma série de pessoas que merecem que eu não me esqueça nem por um segundo delas que mais do que fazerem de mim o que sou hoje, de nunca terem desistido de mim ou me abandonado, que me deram uma parte delas...E depois de pesar isso tudo e de avaliar, aí sim poderei ver se tenho a coragem de seguir em frente e deixar tudo para trás pois a vida profissional não é tudo e caso parta saio com o desejo de um dia regressar...

Muitas vezes temos o mundo à nossa frente e temos tanta pressa de o viver que nos esquecemos de ter a nossa própria paz, o nosso próprio sossego, de viver de uma forma mais harmoniosa... Tentar viver melhor de forma interior é uma coisa que depende das situações que nos rodeiam e do mundo que nos abarca mas depende sobretudo de NÓS!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Vale a pena pensar nestas coisas...Não vale nada estava a brincar!

Boa noite...

Hoje quero-vos falar de pessoas que nos marcam...Há dois tipos de pessoas que nos marcam...

O mais comum destes dois tipos são as pessoas com quem convivemos quase diária, semanal ou mensalmente...Que de uma forma ou outra estão na nossa vida quase de forma contínua e nos influenciam a personalidade, a maneira de ser, as brincadeiras que temos com elas...Tudo isso é sem dúvida, na minha opinião o que mais nos influencia e dos maiores pilares da nossa vida...

No entanto,hoje não vos quero falar do tipo de pessoas referidas no parágrafo acima...Hoje quero falar-vos de outro tipo de pessoas...Um tipo de pessoas muito particular e especial...Há pessoas que fazem aquilo a que eu chamo "magia".Há pessoas que por um motivo ou outro com um gesto, uma palavra, um sorriso, mudam o nosso dia...Elas talvez mal saibam que nós reparámos nelas e mal sabem que nós ali estamos...Mas eu digo-vos que o meu dia já mudou algumas vezes devido a pequenos gestos destes.Pequenos sorrisos, pequenos gestos, poucas palavras mas certas...
A vida consegue ser mesmo incrível e só é pena que muitas vezes nunca mais vejamos estas pessoas ou lhes possamos agradecer o bem que já nos fizeram sem saberem...

Uma coisa não precisa de ser longa para te marcar profundamente...Basta ser forte!

Se isto é válido para situações negativas e traumáticas porque não há-de aplicar a situações positivas e alegres?

Cada vez mais isso me fez pensar que devemos dar tudo de nós e às vezes há pessoas que mesmo sem as conhecermos merecem um bocadinho de nós naquele momento...

Uma vez, quando estava em Lisboa, vagueava pela rua sem qualquer esperança e andava completamente arrasado...E então, entrei na Bertrand, se não me engano, no Chiado, tinha feito uma directa, não conseguia dormir e andava completamente abalado.Vi uns livros e observei uma senhora, dos seus 70/80 anos talvez mas apresentava e transparecia uma jovialidade no espírito que dava para notar à distância...Estava eu a ver uns livros de Eugénio de Andrade e diz-me ela "É um autor que escreve coisas muito bonitas não é?" e eu "Sim.Gosto bastante da poesia dele..." e diz a senhora "Quando eu tinha sua idade não tinha noção de que havia coisas tão interessantes como as que falam nos livros, mas sabe, nunca perca a esperança de conhecer e de realizar os sonhos...".

E aquele bocadinho, aquele pequeno instante, marcou-me para sempre...Deu-me força e fez-me pensar...Naquele bocadinho a senhora fez-me reflectir sobre tudo...

Também em Lisboa, uma vez na FNAC a ver mangas (banda desenhada japonesa), (Tem de ser sempre quando estou a ver livro em Lisboa lol até parece inventado mas não é vos garanto) uma senhora (30/35 anos) perguntou-me se aqueles livros estavam todos em francês e porquê, e eu comecei-lhe a explicar o que sabia do assunto e a senhora começou a interessar-se e perguntou-me que livros eu lhe aconselhava mais assim para adultos tendo em conta que manga não é só para criança e ela agradeceu-me. E naquele momento quase me esqueci que estava na maior cidade de Portugal, a qual eu vinha a detestar há meses pela indiferença demonstrada pelas pessoas na rua e pela falta de sociedade extrovertida quer na rua quer na faculdade...

Muitas vezes estou na faculdade, e em dias carrancudos ou que eu acordo mais em baixo ou mais com os pés de fora caminho e encontro gente que apenas cumprimento e para a qual sorrio e digo "olá" e estranhamente, sem grandes conversas profundas ou o que quer que seja, acabo por me sentir melhor...Não sei explicar mas há aqueles pessoas que só por nos trocarem um sorriso ou por darem um bocadinho sincero (esta parte é essencial porque muitas vezes somos cumprimentados por conveniência ou para não parecer mal mas aí dá para notar à distância a não ser que a hipocrisia seja mais que muita) delas vale a pena...

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Eu de A a Z

Sou/Já fui/Já me senti

Agnóstico
Baldas
Compreensivo
Diletante
Entediado
Fiel
Gasto
Hospitaleiro
Incompleto
Justo
Leal
Marcado
Natural
Optimista
Partido
Queimado
Revoltado
Sarcástico
Tolo
Usado
Viajado
X(incógnita)
Zangado

;)

"If I'm not back again this time tomorrow
Carry on, carry on, as if nothing really matters"

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

People are Strange

(Silêncio nocturno e conversa numa varanda de madrugada)
-Achaste estranho?

-Achei um bocado...Parece-me uma atitude um bocado incoerente.(Pausa breve coçando a orelha e virando a cabeça) Não quero ser sexista mas às vezes elas agem de maneira estranha...Tão depressa parece que querem estar contigo ou conhecer-te melhor e sair como parece que lhes causas repulsa.

-Nem me digas nada...É verdade que nós somos indecisos mas parece-me que somos um bocado mais directos no que toca a alguns assuntos...

-Depende...(Pausa)Hm...Já viste, já te falei várias vezes da "Alfa", às vezes não sei como me sentir em relação a ela...Foi uma pessoa que já me trouxe simultaneamente dor e alegria...Já me sinto tão desgastado com isso às vezes sou-te sincero...

-Oh eu entendo.Mas nessa situação acho que devias seguir para outra...Olha a "Delta".Tu achas-lhe graça...Porque não tentas conhecê-la melhor?

-(Riso) Achas mesmo? Estás doido? Ela nem sabe que eu existo...

-Vai-te catar!Claro que sabe...

-Ok sabe que eu existo mas daí a sonhar que eu posso estar interessado em algo mais é algo quase que utópico...

-Sabes lá!Estás-me sempre a acusar que tive medo no caso da "Beta" mas tu com a "Delta" também nem te tentas aproximar...

-Oh...Deixa de ser tótó...Nem compares que não tem nada a ver...E também, às vezes penso, sim gostava mesmo de a conhecer melhor e até de conversar com ela e isso mas às vezes tenho medo de dar esses passos...Eu sei que na vida por norma não temos nada a perder nessas ocasiões mas é aí que acho que no fundo consigo ser tão complicado quanto uma mulher nessas situações...Entendes?Daí ter-te dito que achava que dependia...

-É...É uma treta isto tudo...Temos mesmo de acabar esta merda desta fase de exames e sair aí umas noites para nos distrairmos...

-Totally my friend...Totally...

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Hakuna Matata

De todas as vezes que a vida me marcou, a dor sobressaiu...

A desilusão muitas vezes marca-nos de uma forma tão funda que nem sabemos se vamos conseguir voltar a sentir ou a expressar qualquer tipo de sentimento positivo em determinados campos sentimentais...

Não devemos viver amargurados...

O truque está em saber valorizar os verdadeiros momentos de paz e felicidade e não banalizá-los ou perder tempo a pensar na dor e no que nos magoou...

Temos de aprender a gostar de nós para gostar de mais alguém...
Eu não o nego, eu por norma faço tudo pelos amigos e por aqueles que acho que valem a pena, fui educado nessas bases e é graças aos meus amigos e ao ambiente familiar proporcionado que eu tenho estabilidade emocional...

No entanto, acho que tenho de começar a pensar um bocadinho mais em mim muitas vezes...E não me refiro a desvalorizar amigos...Simplesmente, e espero não estar a ser presunçoso nem parecer falta de humildade, mas por vezes sinto que tenho de mudar algumas coisas na minha vida dada a minha excessiva preocupação com os outros e desleixo comigo mesmo...

Li um poema de uma escritora chamada Clarice Lispector que dizia o seguinte:

"Change
But start slowly
Because direction is more important than the speed."

Fez-me pensar...
Quantas vezes não apetece romper e mudar?
Quantas vezes não apetece rasgar tudo o que temos vindo a ser e mudar por completo?

Can I restart again something new?
Não quero fazer nenhum "reset" porque me quero lembrar daquilo que sou e da Dor que senti em dias de sol quentes e alegres em que nada mais importava que as facas que me cortavam o coração e o sentimento enquanto sofria e da Felicidade que me irradiou quando chovia tenebrosamente e as nuvens cobriam o céu e eu sorria porque naquele instante nada me podia tirar o que eu tinha...

END OF REFLECTION


Nota do autor:Eu sei que já me desfiz aqui em argumentos e já falei vezes demais em dor e em sofrimento e também já coloquei aqui mensagens de esperança...
E peço desculpa se repeti ideias (tento não o fazer) mas em fase de exames tendo a ficar em brainstorm...